sábado, 26 de outubro de 2013

ONDE NASCEM OS SONHOS?

Num olho-d'água qualquer dentro de alguma mata...
Que só em sono se encontra.
Nascente sagrada, por todos partilhada.
Mesma fonte que jorra e flui abundante...
Num lugar secreto dentro do coração da gente...
Mesmo que às vezes pareça que sonhamos sozinhos.
Sonhos são hologramas de altruísmo e bondade.
Patrimônio da raça humana, essência e nobre anseio.
Silencie agora sua mente, pois essa é minha verdade:
Os sonhos nos fazem mais vivos,
e nossas vidas transformam...
Se mergulhamos inocentes nesse manancial sublime.
E corajosamente emergirmos plenos de aspirações...
Haveremos de criar beleza de fato.
Para cada um e para toda humanidade!
Zeni Bannitz  Código do texto: T4543252 
***imagem do Google


O PAPEL DA MINHA SINA

Afaga minh’alma de leve o encanto.
Esquadrinho rimas como respiro...
Eu as encontro tristes ou contentes.
Como gêmulas de flores a brotarem
na terra fêmea do meu coração fecundo...
A poesia me invade, e da vida extraí o sumo.
Escorre em cada palavra e nelas se alastra.
Entre frases se entranha verte e me veste.

Mostra o que sou, e o que de mim invento.
Na inspiração renasce meu ser e alegoria.

Teço versos com sentimento, e me enlevo.
Poetizo e me reinvento toda em amor...
Afeto que marca o papel da minha sina.
e dele  emana essência de rosas vermelhas...
Zeni Bannitz
Código do texto: T4543489 

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

SE EU FUI FÁCIL


Se eu fui fácil?
Fui não. EU SOU!
Tenho riso fácil
Amo fácil
Sou fácil como uma criança...
Simples, Pueril...
Perdôo e recomeço tão fácil

Quanto sofro

Choro e me magoo,
Mas também
Fácil esqueço!
Por quê?
É minha natureza: Fácil!
Zeni Bannitz
Código do texto: T2405077 

sábado, 14 de setembro de 2013

VANDALISMO

Vandalismo, arruaça, confusão.
Realidade excêntrica a que vivemos!
Caos urbano imoral, destruição...
Baderneiros violentos destroem seres humanos.
Não investem em saúde e educação!
Vândalos deixam na miséria professores, trabalhadores.
Desrespeitam superfaturam licitações, tomando para si...
Milhões de reais dos impostos pagos por nós!
Baderneiros quebram tudo: micro e pequenas empresas!
Enquanto se refestelam em cartéis!
Os vândalos no poder donos do Congresso,

Câmara, ministérios, Instituições, Estatais...
Baderneiros sem noção, sem Nação!
Políticos ativos em corrupção
Derramam o dinheiro lavado nos paraísos fiscais...
Vândalos tomem cuidado, o povo não aguenta mais!
Os rostos dos manifestantes cobertos
comprovam que não existe a liberdade!
Vândalos de colarinho branco e alma suja
fazem uma farra com o que é público!
A mídia vendida vandaliza a verdade!
Enquanto o cidadão assiste a mentira na televisão!
Poderosos instigam o massacre de jovens corajosos,
que lutam por um Brasil que honre as cores da nossa bandeira, os outros mancham-na de sangue e sujeira!
O Brasil está sem rosto... que desgosto!
Nada de protesto pacífico!!!
Chega de vandalismo contra os direitos humanos!!!
Respeitem o povo, ou aguentem o tranco!!!


Foto: Google

sábado, 25 de maio de 2013

DE OLHOS FECHADOS

De olhos fechados sonho...
Posso ser luz arco-íris
Ser leve flutuo...
De olhos fechados, espero...
O beijo que de olhos abertos
não terei jamais!

*** Inspirado na poesia:
"Fecho os olhos... Olhar noturno"
do Poeta Otavio JM
Recanto das Letras

Zeni Bannitz
Código do texto: T4309221

DEPOIS DE AMAR

Em nosso cotidiano amor
Depois de amar
infinitas nuances...
No silêncio da madrugada,
suados, colados, liquefeitos
mergulhamos no sono...
Nas tardes eternas,
rimos, brincamos,
esquecidos do tempo
De prazeres embriagados
tombamos deleitados.
Na surpresa do desejo
que chega e invade
tem ânsia tem pressa!
Beijos molhados depois do amor
que se recria,
e se nutre do depois,
que nos faz querermos
sempre mais amor!
Zeni Bannitz
Código do texto: T4307544

DESTINOS DISTANTES (Soneto)


Neste céu repleto de estrelas

Sinto-me um fragmento delas...
Diante da grandeza do infinito
Brilhar faz tudo mais bonito!

Vasto céu repleto de estrelas.
Entre si distintas, diferentes,
Brilhos próprios e grandezas
Órbitas e destinos distantes.

Diferentes das estrelas somos.
Nosso é o rumo que nos cabe.
Será sempre o que escolhemos!

Podemos assumir ou não nossa luz
Ser lava ou chama é nossa opção
A bússola que nos guia: o coração!

Zeni Bannitz
Código do texto: T4290769