sábado, 26 de outubro de 2013

ONDE NASCEM OS SONHOS?

Num olho-d'água qualquer dentro de alguma mata...
Que só em sono se encontra.
Nascente sagrada, por todos partilhada.
Mesma fonte que jorra e flui abundante...
Num lugar secreto dentro do coração da gente...
Mesmo que às vezes pareça que sonhamos sozinhos.
Sonhos são hologramas de altruísmo e bondade.
Patrimônio da raça humana, essência e nobre anseio.
Silencie agora sua mente, pois essa é minha verdade:
Os sonhos nos fazem mais vivos,
e nossas vidas transformam...
Se mergulhamos inocentes nesse manancial sublime.
E corajosamente emergirmos plenos de aspirações...
Haveremos de criar beleza de fato.
Para cada um e para toda humanidade!
Zeni Bannitz  Código do texto: T4543252 
***imagem do Google


O PAPEL DA MINHA SINA

Afaga minh’alma de leve o encanto.
Esquadrinho rimas como respiro...
Eu as encontro tristes ou contentes.
Como gêmulas de flores a brotarem
na terra fêmea do meu coração fecundo...
A poesia me invade, e da vida extraí o sumo.
Escorre em cada palavra e nelas se alastra.
Entre frases se entranha verte e me veste.

Mostra o que sou, e o que de mim invento.
Na inspiração renasce meu ser e alegoria.

Teço versos com sentimento, e me enlevo.
Poetizo e me reinvento toda em amor...
Afeto que marca o papel da minha sina.
e dele  emana essência de rosas vermelhas...
Zeni Bannitz
Código do texto: T4543489 

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

SE EU FUI FÁCIL


Se eu fui fácil?
Fui não. EU SOU!
Tenho riso fácil
Amo fácil
Sou fácil como uma criança...
Simples, Pueril...
Perdôo e recomeço tão fácil

Quanto sofro

Choro e me magoo,
Mas também
Fácil esqueço!
Por quê?
É minha natureza: Fácil!
Zeni Bannitz
Código do texto: T2405077 

sábado, 14 de setembro de 2013

VANDALISMO

Vandalismo, arruaça, confusão.
Realidade excêntrica a que vivemos!
Caos urbano imoral, destruição...
Baderneiros violentos destroem seres humanos.
Não investem em saúde e educação!
Vândalos deixam na miséria professores, trabalhadores.
Desrespeitam superfaturam licitações, tomando para si...
Milhões de reais dos impostos pagos por nós!
Baderneiros quebram tudo: micro e pequenas empresas!
Enquanto se refestelam em cartéis!
Os vândalos no poder donos do Congresso,

Câmara, ministérios, Instituições, Estatais...
Baderneiros sem noção, sem Nação!
Políticos ativos em corrupção
Derramam o dinheiro lavado nos paraísos fiscais...
Vândalos tomem cuidado, o povo não aguenta mais!
Os rostos dos manifestantes cobertos
comprovam que não existe a liberdade!
Vândalos de colarinho branco e alma suja
fazem uma farra com o que é público!
A mídia vendida vandaliza a verdade!
Enquanto o cidadão assiste a mentira na televisão!
Poderosos instigam o massacre de jovens corajosos,
que lutam por um Brasil que honre as cores da nossa bandeira, os outros mancham-na de sangue e sujeira!
O Brasil está sem rosto... que desgosto!
Nada de protesto pacífico!!!
Chega de vandalismo contra os direitos humanos!!!
Respeitem o povo, ou aguentem o tranco!!!


Foto: Google

sábado, 25 de maio de 2013

DE OLHOS FECHADOS

De olhos fechados sonho...
Posso ser luz arco-íris
Ser leve flutuo...
De olhos fechados, espero...
O beijo que de olhos abertos
não terei jamais!

*** Inspirado na poesia:
"Fecho os olhos... Olhar noturno"
do Poeta Otavio JM
Recanto das Letras

Zeni Bannitz
Código do texto: T4309221

DEPOIS DE AMAR

Em nosso cotidiano amor
Depois de amar
infinitas nuances...
No silêncio da madrugada,
suados, colados, liquefeitos
mergulhamos no sono...
Nas tardes eternas,
rimos, brincamos,
esquecidos do tempo
De prazeres embriagados
tombamos deleitados.
Na surpresa do desejo
que chega e invade
tem ânsia tem pressa!
Beijos molhados depois do amor
que se recria,
e se nutre do depois,
que nos faz querermos
sempre mais amor!
Zeni Bannitz
Código do texto: T4307544

DESTINOS DISTANTES (Soneto)


Neste céu repleto de estrelas

Sinto-me um fragmento delas...
Diante da grandeza do infinito
Brilhar faz tudo mais bonito!

Vasto céu repleto de estrelas.
Entre si distintas, diferentes,
Brilhos próprios e grandezas
Órbitas e destinos distantes.

Diferentes das estrelas somos.
Nosso é o rumo que nos cabe.
Será sempre o que escolhemos!

Podemos assumir ou não nossa luz
Ser lava ou chama é nossa opção
A bússola que nos guia: o coração!

Zeni Bannitz
Código do texto: T4290769 


NO DESERTO DAS IDEIAS


Escrevo e enlouqueço.
Vejo-me em fuga no tempo
que a vida engana...
Caminho nômade e só.
Insone...
de alucinações padeço...

Não há projeto para o encontro!

Caiada em versos vazios
no deserto das ideias...
foge vagante minha sombra...

Zeni Bannitz
Código do texto: T4287576 

A VIDA É (Pensamento)

Na origem das origens mistério. Algo nas partículas que dançando se encontraram formando as mais diversas combinações. A vida é em abundância!
A terra, o fogo, as águas, e o ar. O caldo primordial.
Seres em evolução na dança eterna da continua transformAção.


Zeni Bannitz
Código do texto: T4230276


.

SORRIO

Em silêncio,
Respiro, e sorrio...
Com meu rosto...
Meu pensamento...
Todas as minhas células!
Todos os meus órgãos,
e principalmente,
com meu fígado!
Sorrio até que
Desfaça o tormento.
E tudo se torne calmaria...
Sorrindo minha vida
É paz em ação concreta no cotidiano!
Zeni Bannitz!
Código do texto: T4230232

SABE FAZER BOLO?

Tem todos os ingredientes?
Certamente uma receita
E a segue passo a passo...
Isso garantirá o bolo?
Mas e o forno?
Não tem?
Sem forno não haverá bolo meu bem!!!
Zeni Bannitz
Código do texto: T4216021 

domingo, 19 de maio de 2013

EDUCAÇÃO INTEGRAL


        Educação Integral não tem volta!  Acordem autoridades!
          Desenho crescente de uma teia de escolas com um tempo diferente.
          Um desafio diário, trabalho árduo de Educadores valentes.
           Construindo cidadania e valores!Utópicos creem na mudança pelo social!
           Alguns poucos somos ainda, que compreendem o Programa Mais Educação.
 IntegraÇão que a escola e o Município ainda não conseguem abranger.
       AçÃo educativa que transcende o repasse dos conteúdos.
          Onde o encantamento e a curiosidade são motrizes do apreender

      EstImulando em cada criança, e jovem o desejo de ser!
           Neste processo reconhecemo-nos como iguais na diferença.
           Todos juntos ainda poucos! Tecendo a rede deste belíssimo fazer.
          Em todo o Brasil é uma revolução na Educação. Pois o convívio transforma!
         Gera vínculos que fazem da aprendizagem uma aventura compartilhada.
       Realmente, pois brincando se aprende, e juntos todos se sentem mais fortes!
   A convivência tão humana e autêntica é o que nos torna melhores e aprimora!           ViLa Velha tem a marca de um Mestre:Marcelino que tem este sonho orquestrado!
Zeni Bannitz
Código do texto: T4095295 

quarta-feira, 27 de março de 2013

NA ESCUTA ATENTA



Na escuta atenta,
O outro a mim se revela
Seus fazeres e dizeres
Que me chamam a atenção

A beleza indizível

Delicadeza e estímulo

Aproximam-me de Deus.

De outro modo podem me espantar.

Gestos por vezes descuidados.

Desatentos ao entorno,

E às vezes violentos!

Estes me repelem...



O que me revela o outro

Abre frestas e janelas...

De onde eu observo,

posso também me perceber.

Nessa escuta atenta

é que do outro aprendo a ser!

Porque sou processo...

e o outro é sempre mestre!



Principalmente quando me ensina 
como eu não quero ser!


Zeni Bannitz
Enviado por Zeni Bannitz em 28/03/2013
Código do texto: T4211370 

sábado, 23 de março de 2013



POEMA DE UM SONHO A QUATRO MÃOS





A vida segue seu rumo... incerto...
O tempo acentua certas fendas... e rasuras...
Aumenta distâncias...
faz crescer barreiras onde havia caminhos...
Que tornam-se enormes, intransponíveis...
Digo que sou feita de curvas e abismos...
E você me diz que fica com as curvas
e não com abismos,
que vislumbra os vales pra voar...
Eu penso, mas não digo...
Se quiser as curvas
vai ter que mergulhar no abismo...!...
No meu abismo, se mergulhar, encontrará
o que é profundo e verdadeiro em mim!
E digo: - Só voa quem mergulha!
E você replica:
- todo voo é um mergulho, tem sua profundidade...
Abismos são curiosos, mas nem sempre ao serem explorados revelam belezas. Os vales nos encantam desde o primeiro olhar!
E eu concordo...
Sim belíssimos... e não sei de onde surge o mar...
com a Lua cheia nascendo imensa por trás...
deixando um rastro de luz...
a escorrer lentamente
até a Lua ir-se de manhãzinha...
- Adoro essa sua chatice... lhe digo...
-Você sabe dos contos de mil e uma noites?
Pergunta-me você!
E eu penso iniciamos agora a primeira...

Zeni Bannitz & Flávio Roquetti (in memorian)
Zeni Bannitz
Enviado por Zeni Bannitz em 23/03/2013
Código do texto: T4203637 

COMO? (POESIA SOCIAL)


COMO?
Como mudar o que está posto?

Como fazer diferente?

Quando todos são indiferentes...

Como abrir novas trilhas?


Como escapar do imbróglio?

Quando os caminhos estão marcados...

Como abrir corações fechados?

Existe uma crise sim, ela é afetiva!

É crise mundial, Ela é local...

E também pessoal...!...


Ela é parte de nós... pois somos um...

Como acordar sensibilidades...

Se tudo parece banal?

Se o que falo parece bobagem:

Que a ternura é fundamental!

Que o respeito é primordial...

Que a solidariedade muda o mundo...

Que só pensa assim uma minoria, excluída!

Que ridiculariza a ação concreta pela paz!

A mim não importa da massa fazer parte!

Desse grupo obtuso, fechado que detém o poder,

Estão em toda parte, e querem manter tudo igual!

Estão sempre todos contra todos, para se eleger...

E destroem quem ame e deseje concretamente

Que a educação aconteça de verdade!

Em clima de paz e igualdade...

Porque ensino e aprendizagem

é afeto, e movimento que acolhe diferenças!

Como mudar? Como?...



Zeni Bannitz
Enviado por Zeni Bannitz em 23/03/2013

Código do texto: T4203654 

AÇÃO CONCRETA (DECLINATO EXPERIMENTAL)


AÇÃO CONCRETA
E se nós formos olho no olho, vibrantes em nosso viver?
Dos sentidos, o afeto direto, que elege!
Exalta a presença, e se torna opção!
Unidos partilhando ternura...
Querendo
Brigando
Brincando
Ação concreta e pura!
Que gera mais vida na vida...
É o amor que acende a alegria no coração!
Renova a alma e a contagia! Transformando o ser!

Um exercício poético: busquei fazer deste poema um Declinato: 11 linhas que formam uma parábola aberta, onde a 4º, 5º, 6º versos tem uma só palavra e a 1ª e a 11ª tem a mesma métrica. Será que consegui?



O QUE SOMOS (DECLINATO EXPERIMENTAL)


  O QUE SOMOS?

Significamos o afeto que emanamos ao nos relacionar?
No fulgor do sorriso, no brilho do olhar.
Sincera guarida de denso anseio
Guarda calor e permanece
Desvelo
Afago
Cuidado
Ou não somos nada se quer?...
Se toda intensidade recolhida estiver?
A ninguém direcionada. A nós não retornará!
Sem nos vermos refletidos no outro nada seremos!



Um exercício poético: busquei fazer deste poema um Declinato: 11 linhas que formam uma parábola aberta, onde a 4º, 5º, 6º versos tem uma só palavra e a 1ª e a 11ª tem a mesma métrica. Será que consegui?

sexta-feira, 22 de março de 2013

MOMENTOS


MOMENTOS

Amaria eternizar
alguns instantes
Que de tão radiantes
nem os consigo expressar

Na janela onde me aninho
Sentindo o ar a me acariciar
Vejo pássaros voltando ao ninho
Despedindo-se do sol a gorjear

O Verde em tons é tão lindo
Ao azul do céu se contrastar
Que troca seu véu devagar...
Do azul claro ao escuro vai-se indo...

Até tudo nas sombras deixar
De negro tudo cobrindo
O belo balé de puro encanto.
Deixa-me em transe vibrar.

O cheiro do fim de tarde
Emana algo de terra e mar,
E flores da época a perfumar.
Nostalgia que no peito arde...

Volto do transe bem leve...
Por um sabiá da praia chamada
Na laranjeira um pouso breve
Pisca seus olhinhos sai em revoada

Alça voo, e eu lhe digo adeus.
Com todos os meus sentidos
Muito agradecida a Deus
Por tanta beleza ter percebido!

sexta-feira, 15 de março de 2013

FEBRE



Tenho febre nestes dias
Meu corpo pede sossego...
Meu coração tem urgência.
Meu corpo quer aconchego.
Quero paz, quero a certeza.
De que nada mais me ferirá...

MAR


MAR

Imenso e manso

Amar no mesmo tanto...

Maremoto vem 
e se estingue


Ah o mar, nunca desiste...

Beijando a areia insistente!

E nela morrendo sempre...

Assim mesmo é o amor...

Se morrer na areia...

Renascerá como a força das marés

Com o beijo primordial que o gerou...

domingo, 10 de fevereiro de 2013

FANTASIA DE CARNAVAL

FANTASIA DE CARNAVAL
Como um oceano de gentes e cores...
Curiosidade, cheiros, delírios,
Peles se tocando fantasias...

 Surpresa e agitação!  
Por trás de tanto brilho: o desejo,
A fome, a novidade, frisson.

 A traição, despedaçou o amor...  
Você soprou pra longe, muito longe,
minhas asas de pavão encantado!
Mas estávamos na avenida
E era nossa aquela festa!
Num momento me diluí
De você esqueci e amanheceu...
E eu caminhava sozinha,
Minhas sapatilhas furadas...
Voltei pra lhe procurar, por quê?
Não sei! Perdi-me de você;
Purpurina ao vento, leve e brilhante,
Voltei só e determinada... era nosso fim!
Um pavão azul e prata
numa foto partida ao meio
Fantasia molhada: suor, garoa e lágrimas.
Lembranças intensas de viver: dor e prazer;
Gosto estranho da delicia de viver!
Rio de Janeiro (06/02/89)

Zeni Bannitz

Enviado por Zeni Bannitz em 11/02/2013
Código do texto: T4134058

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

EDUCAÇÃO INTEGRAL

        Educação Integral não tem volta!  Acordem autoridades!
           D
esenho crescente de uma teia de escolas com um tempo diferente.
           U
m desafio diário, trabalho árduo de Educadores valentes.
            C
onstruindo cidadania e valores!Utópicos creem na mudança pelo social!
            A
lguns poucos somos ainda, que compreendem o Programa Mais Educação.
 Integra
Ção que a escola e o Município ainda não conseguem abranger.
        Aç
Ão educativa que transcende o repasse dos conteúdos.
             O
nde o encantamento e a curiosidade são motrizes do apreender

       EstImulando em cada criança, e jovem o desejo de ser!
            Neste processo reconhecemo-nos como iguais na diferença.
            Todos juntos ainda poucos! Tecendo a rede deste belíssimo fazer.
            Em todo o Brasil é uma revolução na Educação. Pois o convívio transforma!
           Gera vínculos que fazem da aprendizagem uma aventura compartilhada.
          Realmente, pois brincando se aprende, e juntos todos se sentem mais fortes!
      A convivência tão humana e autêntica é o que nos torna melhores e aprimora!
      ViLa Velha tem a marca de um Mestre: Marcelino, que tem este sonho orquestrado!
EM FRENTE!
 
Todas as vezes que a dor
se amontoa à minha frente
Sobre ela passo dançando,
Eu a circulo, se não puder avançar.
Mesmo que, às vezes bem devagar...
Sigo em frente sem parada
A felicidade está sempre a me chamar
Com céu azul, sol e vida...
Muita vida a me tomar!
Em momentos que se eternizam,
e fazem valer a pena a caminhada...
Zeni Bannitz
Enviado por Zeni Bannitz em 02/11/2012
 Código do texto: T3965151